Pastora e policial ligados à ONG estariam incentivando invasão

Três áreas, sendo uma de propriedade da Prefeitura de Campo Grande e duas de empreendimentos privados – Taurus e Brasil Empreendimentos – estão sendo alvo de uma invasão, às margens da BR-262, em Campo Grande. A invasão estaria sendo incentivada por uma pastora e de um policial militar da reserva, que seriam ligados à uma organização não governamental (ONG).

As áreas, de aproximadamente 40 hectares, já estão sendo demarcados e alguns barracos já foram erguidos. Cerca de oito famílias, de um grupo de 20, já estão com as habitações prontas. O mato do local foi queimado e existem pequenas áreas abertas para a construção das moradias. Um pedreiro, de 53 anos, que pediu para não ser identificado, é uma das pessoas que está com a família na área invadida, há cerca de um mês. Ele e a mulher, de 54 anos, vivem com duas filhas em um cômodo único, construído com pedaços de madeira, lona e um colchão.

Ao Correio do Estado, ele disse que há anos brigam na justiça por aquelas terras e que seriam auxiliados pela pastora, que eles afirmam não saber o nome e nem de qual igreja seria.

“O poder público não ajuda a gente. Há dois anos que a gente luta na justiça e ela [a mulher] é que vê essas coisas para a gente”, contou. Além disso, ela também fornece alguns alimentos para ajudar no sustento. “Ela ajuda uma ONG também; passa nos mercados e arruma a comida. Aí o que sobra, depois que ela dá para a ONG, trás para nós. Sempre sobra tomate, batata e outras coisas”, disse ele à nossa reportagem.

Os moradores estão transformando a área do zero. Os terrenos ficam na BR-262, exatamente ao lado do Terminal Intermodal de Cargas, conhecido como Porto Seco, e próximo do Centro Penal Agroindustrial da Gameleira de Regime Semiaberto. Lá, os moradores já demarcaram os terrenos que serão ocupados e estariam montando os barracos, mas não de fato se mudando para lá, porque não energia elétrica e nem água disponível. De acordo com o apurado, a invasão está sendo gradativa e ainda conta a ajuda de um policial aposentado.

Conforme apurado pelo Correio do Estado, uma das empresas citadas enviou maquinário e mão de obra para fazer a limpeza da área, pois recebeu uma notificação do Executivo Municipal para tal ação. Mas, chegando lá para o serviços, os trabalhadores foram impedidos de fazer a limpeza pelos invasores. A justiça e os advogados responsáveis ainda tentam descobrir quem seriam as duas pessoas que estariam auxiliando na invasão.

Por FÁBIO ORUÊ

Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

CORREIO DO ESTADO

Algum comentário?